10 filmes que quebraram tabu no cinema

Produções antigas já desafiavam os limites da censura e ajudaram a moldar a indústria cinematográfica como a conhecemos hoje.

Aos poucos, principalmente, a partir dos anos 1960, Hollywood começou a ousar mais. Cenas consideradas indecentes na época em que foram exibidas fazem parte de grandes momentos que marcaram a história do cinema, responsáveis por desafiar os códigos de censura da indústria audiovisual.

Em parceria com a Kult, listamos 10 longas que ajudaram a derrubar diversos tabus e foram importantes na transformação e avanços do cinema. Na Kult, você também pode saber onde assistir esse filmes.

Confira a lista completa e conheça mais sobre a Kult, abaixo:

Fireworks (1947)

1 - Primeiro beijo 

Thomas Edison filmou o primeiro beijo nas telas dos cinemas com a atriz canadense May Irwin no curta O Beijo (1896). Com 23 segundos de duração, a cena foi filmada nos Estados Unidos, em 1896.

Na época, beijar em local público ainda era considerado um ato ousado. Outra cena filmada em 1900, também por Edison, foi rapidamente banida na maioria dos cinemas.

O Beijo (1896)

2- Primeira cena de sexo

Em 1933, a atriz Hedy Lamarr chocou o público em Êxtase. Em uma das cenas, ela mergulha sem roupa em um lago. Na outra, ela faz sexo com um homem. A câmera enquadrou os rostos o tempo todo.

Dirigido por Gustav Machatý, o longa traz a primeira representação de relações sexuais em um filme não-pornográfico.

Êxtase (1933)

3- Primeiro personagem gay

A homossexualidade sempre foi sugerida de forma vaga no cinema. Em 1947, o curta Fireworks traz o primeiro e mais famoso personagem gay. O cineasta Kenneth Anger foi acusado de obscenidade pelo material. O caso seguiu até a Suprema Corte da Califórnia. Por fim, ele foi absolvido.

Décadas antes, o filme alemão Diferente dos Outros, de 1919, contava a história de dois músicos que se apaixonam e acabam sofrendo ameaças e escândalos. O papel de Conrad Veidt foi provavelmente o primeiro personagem homossexual produzido nos cinemas. O filme chegou a ser elogiado pelo público na época e foi reproduzido por quase um ano, antes de autoridades nazistas interromperem sua exibição. Apenas uma cópia fragmentada sobreviveu: todas as outras foram destruídas pela censura da Alemanha em 1920.

Fireworks (1947)

4 - Primeira cena de nudez feminina

Estrelado por Audrey Munson, Inspiration, de 1915, é considerado o primeiro filme não-pornográfico com imagens de uma mulher nua — mas todas as cópias da produção foram perdidas. Nas décadas seguintes, apenas documentários com povos indígenas sem roupa foram permitidos pela censura dos Estados Unidos e do Reino Unido, até o lançamento de A Tortura do Medo, em 1960, quando os seios de Pamela Green são vistos rapidamente em uma das cenas. Embora cenas de nudez tenham sido incluídas em produções anteriores, como Monika e o Desejo e Bob, o Jogador, nenhuma causou tanta controvérsia como a do filme de Michael Powell, que quase teve sua carreira de diretor arruinada pela polêmica.

Inspiration (1915)

5 - Primeiro beijo inter-racial

Em 1934, era proibido qualquer representação de relações inter-raciais no cinema. As produções começaram a desafiar essas imposições a partir dos anos 1950.

Dirigido por Stanley Kubrick, A Morte Passou Perto (1955) conta com um beijo entre a atriz branca Irene Kane e o ator negro Frank Silvera.

A Morte Passou Perto (1955)

6 - Primeira descarga... no banheiro

Psicose, de Alfred Hitchcock, não apresentou nudez durante a cena icônica do chuveiro. Mas, foi considerado transgressor pela cena de uma descarga.

Antes disso, em 1928, em The Crowd havia aparecido um banheiro, mas a censura proibiu a cena.

Psicose (1960)

7 - Cena de morte com tiros (sem cortes)

As regras de Hollywood determinavam que cenas de tiroteio deveriam ser sempre filmadas em dois planos. O primeiro exibe a arma sendo disparada, na sequência mostra a queda da vítima.

Em 1964, o filme de faroeste Por um Punhado de Dólares quebrou a regra. Em uma das cenas, a câmera mostra o personagem de costas enquanto atira em um grupo de rivais, que caem um por um.

Por um Punhado de Dólares (1964)

8 - Primeira cena sangrenta

Com os advento dos filmes coloridos, as cenas sangrentas começaram a ser menos frequentes. Em 1967, Bonnie e Clyde: Uma Rajada de Balas foi o responsável pelas mudanças.

Bonnie e Clyde: Uma Rajada de Balas

9 - Primeira cena de nudez masculina

Cineastas sempre foram mais relutantes em apresentar nudez masculina nos filmes e, mesmo quando diretores incluíam cenas com nu frontal nos anos 1960, a censura normalmente barrava as imagens. É o caso de O Pranto de um Ídolo e O Segundo Rosto. Mulheres Apaixonadas, de 1969, foi o primeiro filme a retratar homens nus, em uma cena de luta livre entre Alan Bates e Oliver Reed.

Mulheres Apaixonadas (1969)

10 - Primeira morte (de verdade)

Os acontecimentos trágicos de um show dos Rolling Stones, em 1969, foram relatados no documentário Gimme Shelter, possivelmente o primeiro com cenas de um assassinato real: Meredith Hunter, homem afro-americano, teria sacado um revólver perto do palco e acabou sendo esfaqueado por Alan Passaro, membro dos Hells Angels, uma gangue de motociclistas. O grupo foi contratado como segurança do evento e Passaro pode ser visto apunhalando Hunter várias vezes pelas costas

Gimme Shelter

Sobre a Kult

Kult é uma plataforma social para descobrir e compartilhar conteúdos culturais. Na plataforma, você pode interagir com amigos, descobrir e recomendar conteúdos, além de organizá-los em galerias, como fizemos com os filmes de romance natalinos.

O objetivo da Kult é construir uma plataforma feita por pessoas, acima de algoritmos. Incentivando a troca cultural e valorizando a curadoria humana, através de uma comunidade que se apoia e se conecta.

Valorização da cultura

A cultura conecta o indivíduo à comunidade. Experienciar a cultura é não só uma jornada de autorreflexão, como também de descoberta coletiva. Valorizá-la será sempre nossa prioridade.

Curadoria humana

Sabe aquele filme que você amou e está louco para compartilhar com os amigos? Aquela música que não sai da sua cabeça? O livro que tanto te inspirou? Conteúdo bom é conteúdo compartilhado. A Kult é sobre isso.

Diversidade e inclusão

A multiplicidade de vozes é necessária para que as histórias sejam contadas por pessoas com visões e contextos diferentes, ampliando o debate sobre cultura. Não existe cultura sem diversidade.